Congresso do Parto Humanizado encerra com manifesto contra golpe

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Carta de Florianópolis aponta perda de direitos com as reformas do atual governo federal

Um manifesto contra o golpe à democracia brasileira e à retirada de direitos das mulheres e das trabalhadoras em geral encerrou, na tarde da sexta-feira, dia 11, o III Congresso Nacional do Parto Humanizado – Afirmando a autonomia da Mulher. A Carta de Florianópolis – lida no final do evento – elenca ainda perdas e desafios para a humanização do parto e do nascimento.

O documento reconhece, entre 16 pontos, que as chamadas reformas do atual governo federal ameaçam direitos duramente conquistados, em especial das mulheres e da saúde. Que o modelo vigente de parto é machista, misógino e não baseado nas melhores evidências, e que mulheres negras, indígenas e transgênero são as maiores vítimas de violência obstétrica no país.

Por outro lado, o documento também reconhece o empenho do Ministério da Saúde, durante o Governo Popular, na criação de programas e políticas afirmativas no sentido de ampliar o número de partos naturais e respeitosos em nossa sociedade e inibir as cesáreas desnecessárias. E elenca conquistas para a humanização do parto e do nascimento, como a aprovação da Lei da Doula (Lei nº 16.869/2016), e a Lei da Violência Obstétrica (Lei nº 17.097/2017), em Santa Catarina.

A Carta de Florianópolis também aponta sete recomendações, entre elas a superação do modelo de atenção vigente ao parto e nascimento, reforçando a importância na manutenção e fortalecimento do Projeto Rede Cegonha. Também que as Casas Legislativas, na União, Estados e Municípios, priorizem com celeridade a tramitação das proposições específicas para facilitar a implementação de práticas que conduzam ao parto natural e inibam a violência obstétrica nos hospitais brasileiros.

Entre os 21 compromissos elencados, a Carta de Florianópolis propõe garantir em lei a instalação de centros de parto natural e de Casas de Parto nos estados; lutar por um acolhimento digno das parteiras, enfermeiras obstétricas e obstetrizes o ambiente hospitalar; e a criação da rede de Humanização do Parto em Santa Catarina.

A Carta de Florianópolis é assinada por entidades, organizações, profissionais de saúde, gestores públicos, pesquisadores, parlamentares, parteiras, doulas, enfermeiras e enfermeiros obstetras, obstetrizes, médicas e médicos, mães, pais e familiares, presentes nos três dias do III Congresso Nacional do Parto Humanizado, nos dias 9, 10 e 11 de agosto.

O 3º Congresso Nacional do Parto Humanizado, realizado nos dias 9, 10 e 11 de agosto, foi uma iniciativa da Comissão de Saúde da Alesc, em parceria com a Escola do Legislativo Deputado Lício Mauro da Silveira e com o apoio do gabinete da deputada Ana Paula Lima (PT), proponente das duas edições anteriores, em 2015 e 2016.

Comentários