SC é o quarto Estado mais violento para as mulheres

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Bancada Feminina promove seminários pelo fim da violência contra a mulher

Santa Catarina é o quarto Estado brasileiro mais violento para as mulheres. Levando em conta este dado alarmante e a necessidade de mobilizar a sociedade para o enfrentamento da violência, a Bancada Feminina da Assembleia Legislativa, coordenada pela deputada Luciane Carminatti, e a Escola do Legislativo promovem a partir deste mês uma série de 13 seminários regionais percorrendo todo o território catarinense. O primeiro encontro será realizado em Guarujá do Sul, no extremo-oeste, na quinta-feira, 17 de agosto, das 8h às 18, no Pavilhão da Paróquia Sagrado Coração de Jesus.

De acordo com a deputada, é necessário ampliar o debate e cobrar do governo catarinense ações concretas e efetivas, especialmente na ampliação e fortalecimento da rede de serviços, acesso à Justiça e agilidade nos mecanismos de proteção, além de oportunidades de qualificação e autonomia de renda das mulheres.

“O nosso Estado tem falhado na proposição de políticas públicas, no repasse de orçamento e na integração da rede de atendimento, impedindo a sistematização de informações e a eficácia dos mecanismos de proteção. Sem dados reais, a violência se torna invisível. Precisamos romper o silêncio e fazer o debate no campo e na cidade, dentro de casa e nos espaços públicos, nas escolas, nas igrejas, nos tribunais e nas tribunas”, destaca a deputada Luciane.

A parlamentar alerta para a necessidade de denunciar publicamente todas as formas de violências nas diferentes regiões do estado. O Oeste registrou o maior número de casos deste tipo nos últimos dois anos, seguida pela região Norte. No estado inteiro os feminicídios e as agressões domésticas têm aumentado consideravelmente. “Não se sabe se os casos estão aumentando ou se as mulheres estão denunciando mais, porque o Estado não tem essa informação. Porém, sabemos que homens e mulheres sofrem violência, mas é a mulher que morre dentro da própria casa”, enfatiza a deputada Luciane, ao lembrar que a maior parte das agressões é praticada por (ex) companheiros.

Os eventos são abertos às mulheres e homens do campo e da cidade (de todas as idades), entidades populares, organizações e órgãos públicos do executivo, legislativo e judiciário responsáveis por implantar e fiscalizar as políticas públicas.

Para realizar os seminários, a Bancada conta com importantes parcerias em cada região – movimentos das mulheres do campo e da cidade, instituições, órgãos públicos locais, universidades, entidades e coletivos comprometidos com o enfrentamento à violência. Depois de Guarujá do Sul, os municípios que sediarão os encontros são: Lages, Caçador, Iporã do Oeste, Mafra, Joinville, Orleans, Ipumirim, Campos Novos, Ipuaçu, Chapecó e Blumenau. O último e grande seminário marcará o mês da mulher, no dia 7 de março de 2018, em Florianópolis.

Comentários