Rio do Sul melhora no Índice FIRJAN de Gestão Fiscal

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
A cidade de Rio do saltou de 54º para o 11° lugar no Índice FIRJAN de Gestão Fiscal entre os municípios catarinenses em índice medido pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro. O resultado divulgado na semana passada, coloca a capital do Alto Vale como a 94º cidade melhor ranqueada do país.

O índice rio-sulense é de 0,7162 e quanto mais próximo de 1, melhor o desempenho. Desde 2012 o resultado não era tão bom, quando a avaliação era de 0,8519, o melhor desde o início do levantamento anual em 2006.

A FIRJAN leva em consideração neste índice, cinco indicadores: receita própria, gastos com pessoal, investimentos, liquidez e custo da dívida.O IFGF traz o debate sobre um tema de grande importância para o país: a forma como os tributos pagos pela sociedade são administrados pelas prefeituras. O índice é construído a partir dos resultados fiscais das próprias prefeituras – informações de declaração obrigatória e disponibilizadas anualmente pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

Com base nesses dados oficiais, o Índice FIRJAN de Gestão Fiscal 2017 – ano de referência 2016 – avaliou a situação fiscal de 4.544 municípios. Apesar da determinação da lei, os dados do exercício fiscal 2016 de 1.024 prefeituras não estavam disponíveis ou não eram consistentes, como informa o site oficial do índice.
A FIRJAN chama o índice de “uma ferramenta de controle social que tem como objetivo estimular a cultura da responsabilidade administrativa, possibilitando maior aprimoramento da gestão fiscal dos municípios, bem como o aperfeiçoamento das decisões dos gestores públicos quanto à alocação dos recursos”.

Outro famoso índice desenvolvido pela FIRJAN é o de Desenvolvimento Municipal (IFDM), que também serve como base para estudo de avaliação de desempenho de setores das administrações municipais. Avaliado ano a ano até 2013, este índice mede indicadores de saúde, educação e emprego e renda. Interrompido, a atualização de dados deve ser fornecida até o final deste semestre.

98,6% das cidades de SC têm nível de desenvolvimento alto ou moderado

O Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM) 2015 revela que 98,6% das cidades catarinenses têm nível de desenvolvimento alto ou moderado. O estudo destaca, ainda, que o estado não possui qualquer cidade de baixo desenvolvimento e que apenas quatro têm conceito regular. Além disso, 56 municípios de Santa Catarina estão entre os 500 maiores IFDMs do país, e sete figuram entre os 100 melhores.

Concórdia se manteve na liderança do ranking catarinense, registrando avanço em Emprego e Renda e em Educação. Além dela, outras cinco cidades se mantiveram entre as dez melhores do estado, com algumas trocas de posições, enquanto outras quatro passaram a compor o grupo nesta edição: Navegantes, Blumenau, Jaraguá do Sul e Joinville. Concórdia ocupa a primeira posição no ranking estadual, com 0,8933 ponto, seguida de São Bento do Sul (0,8648), Chapecó (0,8602), Balneário Camboriú (0,8594), Navegantes (0,8579), Itajaí (0,8538), Blumenau (0,8514), Jaraguá do Sul (0,8476), Brusque (0,8444) e Joinville (0,8430), que está na 10ª colocação.

O IFDM destaca que para conquistar uma posição entre os dez maiores IFDMs de Santa Catarina, os municípios registraram alto desenvolvimento nas vertentes de Saúde e Educação e, no mínimo, conceito moderado em Emprego e Renda. O índice revela, ainda, que cinco dessas cidades apresentaram crescimento em Emprego e Renda, outras cinco em Saúde e seis em Educação. No ranking das capitais, Florianópolis ocupa a quarta posição.

Nas últimas colocações, estão as cidades de Pedras Grandes (0,6193), Bom Retiro (0,6186), Monte Castelo (0,6178), Major Gercino (0,6162), Ipuaçu (0,6051), Ponte Alta (0,6045), Cerro Negro (0,5839), Lebon Régis (0,5669), Bela Vista do Toldo (0,5618) e São José do Cerrito (0,5507), que está na última posição no ranking estadual.

Desse grupo, cinco cidades já constavam entre os dez piores resultados do estado no ano anterior: Major Gercino, Ponte Alta, Lebon Régis, Bela Vista do Toldo e São José do Cerrito. O índice mostra que do grupo dos dez piores resultados do estado, todos os municípios registraram queda na vertente Emprego e Renda em relação a medição anterior, tendo registrado desenvolvimento regular ou baixo. Mesmo figurando nessa relação, Ponte Alta merece destaque, por ter apresentado avanço de 6,8% na sua nota, em decorrência de aumento significativo de 32% na vertente de Saúde.

O estado de Santa Catarina tem 293 municípios, mas nesta edição, devido à ausência ou inconsistência de dados, Alto Bela Vista ficou de fora do ranking do IFDM.

Comentários