Governador diz que deputado Coruja é “louco”

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Uma sátira magistral de Machado de Assis, no livro  “O alienista”, acerca da inviabilidade de se definir a esfera da loucura, sob pena de incorrer numa generalização abominável, foi citada pelo deputado Fernando Coruja em seu discurso de hoje (terça-feira 05.09) quando se manifestou sobre o fato de ter sido chamado de “louco” pelo governador do estado, durante encontro político na região serrana.

Coruja também citou  Michel Foucault, que fez um mergulho nesse universo para entendê-lo e a partir daí, construir um saber sobre a loucura e como ela se constituiu ao longo da história. Dizendo que o conceito de loucura tem mudado ao longo do tempo, Coruja mostrou que o manual americano DSM-5, traz cerca de 300 diferentes transtornos mentais “e podemos dizer que todo mundo tem um pouco de cada coisa”.

Lembrando uma frase do lageano Rogério Castro –  “aqui em Lages metade é louco e a outra metade pensa que não é”, Coruja disse que “ser chamado de louco não me ofende, eu de certa forma estou lá mesmo, na loucura!”  Para o deputado Coruja “este argumento do governador é uma falácia, porque o que não é normal é não aceitar as críticas que aqui são feitas”.

Ele lembrou a filósofa e pensadora contemporânea, Márcia Tiburi, que em seu ensaio “Como conversar com um Fascista” diz que a personalidade autoritária não reconhece nada fora dela mesma. Nada pode ser contra seu modo de pensar, de sentir e de ver o mundo. O que o eu autoritário quer é impor-se como centro do universo”.

Para Coruja, não basta desqualificar o autor das críticas. “O que me parece ser uma loucura é tomar um empréstimo de R$700 milhões, com um ano de carência e quatro anos para pagamento, e distribuir aos municípios. Isso não vai resolver os problemas de Santa Catarina”, disse o parlamentar, lembrando que a audiência pública para discutir a questão da saúde, agendada para esta quarta-feira, foi cancelada.

“Não quero aqui discutir a minha saúde mental, quero discutir as contas públicas, a situação da saúde e da segurança. O resto é loucura para se conversar em mesa de bar”, finalizou Coruja ressaltando que “afinal de médico e louco, todo mundo tem um pouco”.

Comentários