Pizolatti e outras lideranças do PP são alvos no STF

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Fachin preside a Segunda Turma do STF, que julgará a denúncia contra sete políticos do Partido Progressista

Relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Edson Fachin liberou para julgamento a denúncia em curso na corte contra os deputados Arthur Lira (AL), Mário Negromonte Júnior (BA), Luiz Fernando Faria (MG), José Otávio Germano (RS) e Roberto Britto (BA). Na condição de ex-deputados do partido, Mário Negromonte (BA) e João Pizzolatti (SC) também são denunciados na mesma peça liberada por Fachin.

Eles serão julgados pela Segunda Turma do Supremo, que é presidida por Fachin. No entanto, ainda não há data prevista para o julgamento. Os pepistas são acusados de corrupção passiva e ocultação de bens em denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Segundo o PGR, a Braskem fez quatro transferências para beneficiar Pizzolatti entre 2009 e 2010. O objetivo era favorecimento da petroquímica do Grupo Odebrecht em contratos com a Petrobras.

Na denúncia, Janot afirma que o doleiro Alberto Yousseff colocava a quantia transferida no exterior disponível em reais ao partido e ao ex-deputado. “Dessa forma, entre 2009 e 2010, pelo menos US$ 1,530 milhão foram repassados a título de propina.

 

 

Comentários