Gastos com diárias gera polêmica na Câmara de Mirim Doce

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Secretário da câmara de vereadores de Mirim Doce já gastou quase R$ 60 mil em diárias

Os gastos com diárias do Secretário da Câmara de Vereadores do município de Mirim Doce chamou a atenção do vereador  Nilson Stern (PSDB). Ele questionou o presidente, Emir Mengarda (PP), se o mesmo tinha conhecimento de que o secretário da Casa, o servidor Jaime Odorizzi teria recebido quase 10 mil reais de diárias nos primeiros cinco meses deste ano, segundo apurou nas informações disponibilizadas no Portal da Transparência. Stern disse que ficou surpreso com a resposta do presidente, que é tio do servidor, de que tinha autorizado tais pagamentos.

“Nossa gente acompanha o Portal da Transparência e nos cobra sobre os gastos elevados em diárias para o servidor Jaime Odorizzi nos últimos anos”, destacou o vereador. No pronunciamento na Tribuna da Câmara, ele pediu que os presentes à sessão estivessem bem sentados para acompanhar os valores pagos a um único servidor do Poder Legislativo de Mirim Doce, pois o total de gastos de 2013 até maio de 2017 alcançaram o valor de R$ 58.687,82. “Como é que o dinheiro desta Casa está sendo administrado senhor presidente?”, indagou Nilson.

Stern também cobrou postura do presidente Emir Mengarda, por prometer que a cada mês iria autorizar dois vereadores a viajarem para Brasília e também para participarem de cursos e seminários, e assim terem direito ao recebimento de diárias. Para o parlamentar, a população está revoltada, pois o orçamento da Câmara poderia suprir atendimentos na área da saúde. Nilson pediu informações à Câmara e aguarda novo posicionamento do presidente.  “Dinheiro público não é para ser queimado com gastos desnecessários e inúteis”, finalizou. 

O OUTRO LADO

O presidente da Câmara, Emir Mengarda, disse que os cursos foram autorizados e não tem nada a esconder sobre o fato. “Realmente foi mandado ela fazer uns cursos, e precisa né. Eu acho que todo vereador tem o direito de fazer um curso, os funcionários têm o direito também e deve, por que todo ano muda a lei”, justificou Mengarda. Sobre o fato de Jaime ser seu sobrinho, o presidente não considera o ato de conceder diárias imoral. “Todos os vereadores estão cientes e de acordo”.

O presidente negou que as diárias autorizadas ao servidor foram uma forma de “compensação” pois o mesmo não ganha gratificação. “Nunca disse que iria autorizar o curso para ele recuperar algum valor, se eu quiser eu dou gratificação pelos serviços prestados a mais. Ainda não foi concedido, mas vamos conversar com os vereadores e discutir isso também”, disse Emir.

Comentários