Melhorias na rodovia só depois de 2019

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O deputado estadual Milton Hobus (PSD), disse que será difícil, para o Governo Estadual concluir a recuperação da rodovia que liga o município de Mirim Doce à BR 470, antes de 2019. “O governador Raimundo Colombo tinha vontade de fazer esta obra,  pedimos para agilizar a elaboração do projeto para saber o valor,  para que o Estado possa fazer o quando antes”, disse o deputado.

Hobus disse ainda, que a ideia de Colombo é deixar pelo menos o projeto executivo pronto, antes do fim do mandato. “É um compromisso dele, porque ele acabou inaugurando no começo do mandato essa rodovia. Não foi ele que executou, mas é uma coisa que sempre está na cabeça dele, que inaugurou uma obra que já estava se deteriorando no dia da inauguração, foi uma vergonha”, concluiu o parlamentar.

Milton não garantiu, mas se a economia melhorar, a vontade do governador é fazer o processo licitatório, ainda no seu governo, que termina em dezembro de 2018. As obras de fato, só no próximo governo, que ainda vai depender de financiamento do programa do Bando Internacional de Desenvolvimento (BID). A rodovia recebeu o nome do ex-prefeito de Taió, Horst Purnhagen.

O imbróglio dessa rodovia asfáltica, vem se arrastando há muitos anos. Mesmo antes da inauguração oficial, em 8 de dezembro de 2011, os problemas começaram a aparecer em vários trechos. A construção da rodovia foi dividida em duas etapas.

A empresa Ciro Odebrecht, de Blumenau foi contratada pela prefeitura de Pouso Redondo e fez a primeira etapa partindo da BR 470 até a divisa com Mirim Doce, totalizando2,7 quilômetros. A empresa faliu antes de concluir as obras, o município de Pouso Redondo entrou com ação na justiça.

A empresa A. Mendes, foi contratada pela SDR de Taió, para fazer a segunda etapa com 5,06 quilômetros.  Foram duas licitações ção,s A empreiteira também foi acionada judicialmente e condenada à refazer a rodovia.

Em 2012, uma perícia, realizada por uma empresa contratada pela Secretaria Estadual de Infraestrutura (Deinfra), comprovou irregularidades. O Tribunal de Contas do Estado  e o Ministério Público de Contas, também reconhecer as irregularidades, nenhum agente político foi responsabilizado.

Milton falou sobre o assunto em Taió, na semana passada.
Comentários