Paratletas competem no Circuito Caixa de Atletismo e Natação

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Três paratletas da Fundação Municipal de Desportos (FMD) de Rio do Sul viajam nesta sexta-feira (27) para São Paulo onde participam da terceira e última etapa nacional do Circuito Loterias Caixa de Atletismo, Halterofilismo e Natação. As disputas que seguem até o domingo (29) envolvendo mais de 900 competidores acontecem no Centro de Treinamento Paralímpico. As disputas são organizadas e supervisionadas pelo Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB).

Ernesto Bitelbrunn Junior e Wellington Ferreira representam o município no atletismo. Enquanto Ernesto participa no lançamento do dardo, onde ficou com a segunda colocação em uma das etapas nesta temporada, já Wellington compete no lançamento do disco e arremesso do peso, categorias que já venceu nesta temporada. O outro representante do município é Bruno Becker da Silva na natação, que na segunda etapa conquistou cinco medalhas de ouro e teve ótimo desempenho.

O paratleta participa de cinco provas, que são os 50 metros costas, 50 metros livre, 50 metros nado peito, 100 metros livre e 200 metros livre e o técnico Alan Helbok ressalta a competição. “É uma prova muito importante, onde apenas os 150 melhores do Brasil participam. Vamos utilizar essa etapa para tentar melhorar nossos índices e conquistar mais medalhas, acredito que temos boas chances”, comentou.

O superintendente da FMD e técnico da Acarisul, Jeberton Fermino, lembrou que Ernesto e Wellington já tiveram um bom desempenho. “Mesmo com as medalhas conquistadas, ajustamos algumas coisas no treino deles visando melhorar os lançamentos e arremessos, vamos torcer para termos uma boa evolução já visando melhores marcas para 2018”, disse.

Composto por quatro fases regionais e três nacionais, o Circuito Loterias Caixa de Atletismo, Halterofilismo e Natação tem como objetivo desenvolver as práticas desportivas em todos os municípios e estados brasileiros, além de melhorar o nível técnico das modalidades e dar oportunidades para atletas de elite e novos valores do esporte paralímpico do país.

TEXTO: Arthur Hoffmann

Comentários