Projetos da Defesa Civil são apresentados em plenária da FACISC

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Cerca de 30 representantes de Associações Empresariais do Alto Vale conheceram as ações

 A Secretaria de Estado da Defesa Civil apresentou a cerca de 30 representantes de associações empresariais do Alto Vale do Itajaí um balanço dos principais projetos em desenvolvimento para a prevenção e a mitigação de desastres naturais. A reunião plenária regional da FACISC ocorreu na quinta-feira, 9, em Rio do Sul.

O coordenador regional da Secretaria de Estado da Defesa Civil, Jaimerson Espíndola, iniciou o encontro destacando que Santa Catarina será o primeiro estado com 100% de cobertura por radares meteorológicos. Ao ser questionado sobre o funcionamento do radar de Lontras, ele explicou que componentes do equipamento foram substituídos pela empresa Enterprise Eletronics Corporation (EEC), em meados deste ano, sem custos para o governo do estado.

De acordo com o extrato do termo de acordo publicado no Diário Oficial do Estado de 12 de abril, a EEC foi responsável pela substituição do transmissor, do gabinete de controle inteiro e peças sobressalentes no Radar Meteorológico de banda S de Lontras. “Tivemos um ganho operacional e desde então não houve mais problemas com a geração das imagens”, afirmou.

Além disso, o coordenador destacou que “já está operacional o novo serviço de alerta via SMS, para todos os municípios”. Mais de 200 mil cidadãos catarinenses haviam se cadastrado para receber as informações até o fim de outubro, segundo balanço divulgado pela Defesa Civil.

 BARRAGENS DE CONTENÇÃO DE CHEIAS

 Um dos temas que mais despertaram interesse na plenária foi a construção das novas barragens de contenção de cheias. Nos municípios de Petrolândia e de Mirim Doce as tratativas estão mais adiantadas, faltando apenas o pagamento das indenizações para que as licenças ambientais de instalação (LAI) possam ser emitidas pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma).

A Defesa Civil também está aprofundando os estudos para a construção de duas novas barragens em Pouso Redondo, duas em Agrolândia e uma em Braço do Trombudo. O coordenador também destacou que pela primeira vez as estruturas já existentes em Taió e Ituporanga estão servindo para outros usos. “Hoje elas estão estocando água já que uma forte estiagem está prevista para os próximos meses”, afirmou o coordenador.

Aos empresários, também, explanou sobre os resultados obtidos com as obras de sobre-elevação realizadas nas barragens Sul e Oeste. Além de ampliar a capacidade de reservação, com os novos canais extravasores, foi possível reduzir de 18 para sete dias o período de esvaziamento dos lagos.

MELHORAMENTOS FLUVIAIS

 A previsão da Defesa Civil é de que a implantação de todo o pacote de obras contribua para que enchentes como a de 1983 não voltem a ocorrer em Rio do Sul. Os melhoramentos na calha do rio em Taió, Rio do Sul e Lontras também serão fundamentais, sobretudo, para ampliar a vazão da água.

Uma novidade destacada pelo coordenador é possibilidade de implantação de projetos, como o canal extravasor de Lontras, por meio de parceria público-privada. “O canal deve ser construído no maciço de Salto Pilão. Terá 600 metros de comprimento, 40 metros de largura, 6 metros de profundidade e 4 comportas”. Segundo Espíndola, o empreendimento poderá ser utilizado para a geração de energia elétrica.

  OUTRAS AÇÕES

 Espíndola também destacou que todo o território catarinense será mapeado para identificar riscos geológicos e hidrológicos. O objetivo é que as informações sejam utilizadas pelos municípios para melhorar o planejamento urbano, a prevenção e a proteção à população. O trabalho será do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e é pioneiro no país, pela escala.

Rio do Sul e Taió também estão sendo contemplados com a instalação de Centros Integrados de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cigerd). Ao todo, 20 estarão distribuídos pelo estado. “Poderemos, por exemplo, fazer uma videoconferência entre todas elas”. A capital do Alto Vale também será contemplada com um centro de logística (Celog), responsável pelo fornecimento de itens de assistência humanitária.

“Estas informações são importantes porque a economia e a sociedade num todo sofrem com os desastres naturais. E precisamos de ações efetivas para diminuir os prejuízos na região”, afirma o vice-presidente regional da FACISC para o Alto Vale, Alex Detlev Ohf.

Durante a Plenária Regional da FACISC os empresários discutiram, ainda, sobre as obras de manutenção, duplicação e a concessão da BR-470/SC e as ações que estão sendo desenvolvidas pela Fundação Empreender, Conselho Estadual da Mulher Empresária (CEME) e Conselho Estadual do Jovem Empreendedor de Santa Catarina (CEJESC).

TEXTO: Juliete Tambosi

 

Comentários