Secretário: “Barragem está sob controle”

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Moradores, agricultores e usuários das terras do entorno da Barragem Oeste em Taió, reclamam do fechamento das comportas. A manobra executada pela Defesa Civil de Santa Catarina, formou um lago artificial, ocupando parte das áreas de terras que formam a bacia do Rio Itajaí do Oeste. Produtores de arroz alegam que o nível do rio está abaixo no normal, o que dificultam o bombeamento para irrigação.

O Secretário de Estado da Defesa Civil, Rodrigo Moratelli explicou que a operação está dentro da programação da Defesa Civil e que está tudo sob controle. “A gente tem como controlar tanto o excesso quanto a falta d’água. Na enchente a gente segura para controlar o fluxo do Rio Itajaí do Oeste, no caso de Taió. O Rio Salete e o Rio Taió continuam jogando água dentro da cidade. Então, a gente corta o fluxo do rio e reduz o pico de inundação. Na estiagem é a mesma coisa, só que ao contrário” alegou Moratelli.

O secretário disse que a operação, a barragem está com 23,90 % do reservatório e a meta é manter com 25%. Ele alegou que o departamento de climatologia previu uma estiagem para começar em novembro. “Com apenas uma comporta aberta, mantemos o volume hídrico por 60 dias, o fluxo mínimo de regulação. Contando com o período de seca que podemos ter falta de água dentro do rio”. Também confirmou que o rio no centro de Taió está 1,46 metros acima do nível normal.

O Secretário relatou o fato de alguns moradores do entorno da bacia da barragem que usam as terras para proveito próprio, como a criação de gado. “Essas terras foram indenizadas, como criam gado lá dentro? Não existe uma cobrança pelo Estado e não existe uma negativa pela União, porém a área está indenizada e ali é um reservatório da barragem”. Moratelli afirmou que ninguém tem o título das posses ou garantia para usar a área.

É a primeira vez que Defesa Civil realiza esse tipo de operação e antes, não havia a previsão meteorológica precisa como agora. Moratelli lembrou que a Barragem Oeste também foi construída com a intenção de reservar água para os períodos de seca. “Ela está preparada para isso, embora nunca usada, mas na concepção da barragem, também serviria para irrigação. O projeto foi feito para isso”, argumentou.

A Defesa Civil vai continuar monitorando o clima e as previsões meteorológicas. O secretário também falou que a manobra ajuda a melhorar a análise do banco de dados da Defesa Civil. “A gente está avaliando o tempo de chagada da água em Taió, Rio do Oeste, de Rio do Sul, sabemos a quantidade de volume de cada comporta. São cálculos que nos ajudam a entender o comportamento da água, para termos um resultado mais satisfatório”, finalizou.

TEXTO: Alexandre Salvador

 

Comentários