Dívidas milionárias preocupam cúpula do Governo de SC

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Uma nota do jornalista Moacir Pereira, no Diário Catarinense desta sexta-feira, diz que a situação financeira do Estado de Santa Catarina é mais grave do que indicam as informações sobre dívidas milionárias que se acumulam com fornecedores e empresas contratadas para prestação de serviços.

De acordo com fontes credenciadas, ela já ameaça até o cronograma de pagamento dos salários dos servidores, ponto de honra fixado como absoluta prioridade nos dois mandados de Luiz Henrique e fixado também como inarredável e principal preocupação do governador Raimundo Colombo.

Há alguns dados que estão a revelar cenário preocupante. O primeiro é que a Secretaria da Fazenda vem raspando o tacho, isto é, contingenciando todas as verbas de todas as áreas e mantendo o mais absoluto rigor na liberação até de projetos de despesas menores. Tudo passa agora pelo grupo gestor.

Os esforços da Fazenda estão todos concentrados no pagamento no 13º salário dos servidores e dos vencimentos de dezembro. Há a possibilidade de não se repetir o mesmo calendário do ano passado, com os salários de novembro e dezembro e a gratificação natalina creditados todos antes do Natal.

Outro dado indicativo: o vice-governador Eduardo Pinho Moreira vem sendo estimulado a não assumir o governo em 2018, caso Raimundo Colombo renuncie para disputar o senado. Motivo: receberia uma pesada herança e correria o risco de ficar na história como o governador que atrasou salários e produziu a quebradeira.

Salvo crescimento rápido da economia e melhoria da receita estadual, o cenário para o próximo ano é considerado nebuloso.

Comentários