Justiça facilita o fim do casamento

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
O fim de um casamento pode ocorrer, perante a justiça, de algumas formas diferentes: separação, divórcio ou até mesmo, em casos excepcionais, a anulação do casamento
No Código Civil, a partir do artigo 1.548, você pode saber mais sobre a invalidade de um casamento. E a partir do artigo 1.571, sobre a dissolução da sociedade e do vínculo conjugal.: http://bit.ly/TheEndFimByeBye
Conheça algumas diferenças: Anulação: o estado civil dos cônjuges é revogado para condição de solteiro(a). Confira os casos: art. 1550 do Código Civil. Não gera efeitos materiais e o regime de bens é como se nunca tivesse existido.
Divórcio: mesmo com o fim da união, o estado civil de ambos será de divorciado. O casamento produz efeitos materiais até o fim e o regime de bens escolhido irá determinar como os bens serão divididos. 

 

Cinco hábitos que levam ao fim do casamento

A falta de comunicação é uma das principais razões que leva os casais ao fim do relacionamento. Silêncio, frases em tom ríspido e omissão são comportamentos comuns que podem gerar grandes problemas. Por isso, o site Your Tango listou cinco hábitos que podem levar ao divórcio. Confira a seguir.

A comunicação perfeita não acontece apenas quando a mensagem é enviada, mas também quando é bem recebida

Inautenticidade: é comum que, em uma relação, as pessoas digam “sim” mesmo quando querem dizer “não” por medo da rejeição. Mas aceitar situações contra a própria vontade é uma forma de guardar rancor e ressentimentos que só tendem a crescer com o tempo. O ideal é expor os sentimentos e ser maduro o suficiente para negar algumas situações. Se você prefere não discutir no momento, deixe isso claro: “preciso pensar sobre o assunto. Podemos falar depois?”.

Incongruência: a maior parte da comunicação é não-verbal e quando ela está fora de sincronia com as palavras, enviamos mensagens contraditórias. Virar os olhos, apertar os lábios e balançar os ombros passam uma mensagem de julgamento, por mais que você diga o contrário. A melhor maneira para evitar isso é manter o contato visual porque permite uma concentração maior no que o casal está dizendo.

Interromper frases: as pessoas cansam de ouvir isso quando criança, mas nem todo mundo aprende. Os homens se queixam de que, sempre que estão pensando em uma resposta, as mulheres cobram rapidez em uma situação tensa. Por isso, antes de interromper uma frase, conte até 30 e “enrole a língua dentro da boca” sete vezes antes de falar.

Falta de educação: depois de muito tempo juntos, os pedidos educados terminados com “por favor” e “obrigado” caem em desuso e se transformam em frases rotineiras. Mas é importante lembrar que, em qualquer relacionamento, os diálogos do dia a dia também merecem carinho e educação. Assim, em vez de dizer “abaixe a tampa do vaso!”, que tal um “muito obrigada por ter lembrado de abaixar a tampa dessa vez”?

Atitudes impensadas: a comunicação perfeita não acontece apenas quando a mensagem é enviada, mas também quando é transmitida e recebida pelo ouvinte. Ao falar sobre assuntos desconfortáveis, é fácil tornar-se crítico, apontar o dedo e ter a necessidade de dizer a última palavra. Felizmente, nada disso funciona. Em vez disso, converse calmamente e pense em todas as possibilidades antes de fazer julgamentos.

Comentários