Jornal é condenado por publicidade que ofende concorrente

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O Jornal Diário de Notícias, de Criciúma terá de indenizar o concorrente, Jornal da Manhã por uso de propaganda abusiva que a denegriu e expôs sua imagem perante a clientela local. A decisão partiu da 5ª Câmara Civil do TJ, que condenou a ré ao pagamento de R$ 10 mil a título de danos morais.

A ação foi movida pela Aliança Administração de Bens e Participações Ltda,que detêm o título do Jornal da Manhã, contra a empresa DN Comunicação Ltda, que edita o Jornal Diário de Notícias.

A autora relatou que a concorrente, através de suas edições impressas e eletrônicas, publicou anúncios com os dizeres “tem gente que anda contando história para boi dormir” ao lado da imagem de um animal dessa espécie que cochilava sobre as páginas do Jornal da Manhã, o que estaria prejudicando a imagem do noticioso, razão pela qual postulou antecipação de tutela a fim de que as publicações fossem cessadas, além de pedir o pagamento de indenização por danos morais.

Por sua vez, a ré aduziu que os anúncios refletiram apenas campanha publicitária em que não houve identificação da autora, mas sim exploração de bom humor, o qual não caracterizaria dano moral. Para o desembargador Jairo Fernandes Gonçalves, relator da matéria, da análise da imagem sobre a qual recai a controvérsia é possível vislumbrar a alusão ao periódico autor, mesmo que de forma indireta, seja pelo formato, seja pela coloração da fonte utilizada no jornal sob a imagem do animal colocado na propaganda.

“Ao lançar a asserção ‘história para boi dormir’ associada à imagem da parte autora, a parte ré indiscutivelmente ofendeu a honra da sua concorrente, porquanto aludidas expressões são popularmente conhecidas como sinônimo de histórias inverídicas e levam o consumidor mais vulnerável a crer que o veículo de comunicação objeto da galhofa não é digno de credibilidade”, concluiu o desembargador. A decisão foi unânime (Apelação Cível n. 0310514-11.2015.8.24.0020).

Comentários