Liminar proíbe superlotação no transporte escolar em Vítor Meirelles

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Em 60 dias deverão ser instalados equipamentos de segurança adequados à idade dos passageiros, coibida a superlotação e contratados monitores para acompanhamento de crianças e adolescentes em todo o trajeto.

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve medida liminar para garantir segurança a crianças e adolescentes que utilizam o transporte escolar municipal em Vítor Meirelles. A liminar exige a presença de monitores e a instalação deequipamentosde segurança adequados, coíbe a superlotação e suspende os efeitos de uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) mais permissiva.

A ação foi proposta pela Promotoria de Justiça da Comarca de Presidente Getúlio após apurar irregularidades no transporte escolar do Município de Vitor Meirelles, a partir de notícia de fato encaminhada pelo Conselho Tutelar municipal, dano conta da superlotação dos ônibus escolares que resulta, inclusive em agressões e brigas entre os alunos.

Segundo o Conselho Tutelar, uma abordagem constatou, em um ônibus escolar, 22 alunos em pé e 52 alunos sentados, além de uma professora e do motorista. Relatou, ainda, que são recorrentes as denúncias de agressão motivadas pela superlotação e que, inclusive, já encaminhou um aluno ao Instituto Médico legal para o corpo de delito por ter hematomas causados por agressões no transporte escolar.

A partir do relato do Conselho Tutelar, o Promotor de Justiça Matheus Azevedo Ferreira instaurou Inquérito Civil e requereu novas diligências, nas quais foi constatada, novamente, lotação dos veículos além do permitido e falta de equipamentos obrigatórios de segurança.

Na sequência, foram marcadas reuniões com a Administração Municipal para buscar uma solução para o problema. Os representantes da municipalidade explanaram que o problema da superlotação supostamente seria superado com a entrada em operação de novas linhas de transporte público, e apresentou um projeto para orientação de alunos e motoristas para o uso dos cintos de segurança e respeito à ordem dentro dos veículos.

No entanto, argumentaram que seria impossível a contratação de monitores e que alunos não haveria necessidade de transportar alunos menores de sete anos em cadeirinha ou dispositivos de elevação – conforme entende o Ministério Público – em função de uma resolução do CONTRAN ter suspendido a exigência, e discordaram da proposição para assinatura de um termo de ajustamento de conduta.

Assim, o Promotor de Justiça ingressou com a ação com o pedido liminar, buscando garantir a segurança das crianças e adolescentes que utilizam o transporte escolar. Requereu, ainda a suspensão dos efeitos da Resolução CONTRAN n. 639/2016, uma vez que esta restringe o direito à segurança de crianças e adolescentes, consagrado pela Constituição Federal e pela Estadual, e por consistir um retrocesso social pois, uma vez reconhecido um direito, passa-se a tê-lo como consolidado.

O Poder Judiciário acolheu integralmente o pedido do MPSC, reconhecendo a possível inconstitucionalidade da resolução e determinar ao Município de Vitor Meireles que providencie, em 60 dias, a contratação de monitores para os ônibus de transporte escolar público; instale dispositivos de retenção nos ônibus (cadeirinhas); e fiscalize o transporte público escolar para fins de evitar a superlotação e resguardar a segurança dos alunos. A decisão é passível de recurso. ACP n. 0900017-40.2017.8.24.0141).

FOTO ARQUIVO:
O soldado Caio Fernando Wackerhage ministrou palestra sobre educação no trânsito em Vitor Meireles
Comentários