Ex-deputado João Pizzolatti se envolve em acidente grave

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Ex-deputado João Pizzolatti se envolveu em um acidente grave entre Blumenau e Pomerode. Ele conduzia a caminhonete Volvo que bateu contra com um Fiat Mobi na tarde desta quarta-feira, 201/12, rodovia  Werner Duwe e envolveu três veículos.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, apuradas pela equipe do jornal O Município, de Blumanau, o condutor do Mobi ficou preso às ferragens e o automóvel pegou fogo. Outros motoristas usaram extintores de incêndio para apagar as chamas. A vítima, Paulo Marcelo Santos, 23 anos, sofreu lesões e queimaduras nas pernas, e foi atendido pelas equipes do helicóptero Arcanjo-3 e do Samu e levado ao Hospital Santo Antônio.

Ao sair do veículo, Pizzolatti foi agredido com um soco no rosto e chutes por pessoas que o culpavam pelo acidente. Ele se recusou a fazer o teste de bafômetro. Pizzolatti foi atendido por policiais e bombeiros militares no local, e depois foi levado por uma viatura do Corpo de Bombeiros ao Hospital Santa Isabel. Porém, ele deixou o local antes do atendimento ser concluído.

Em um vídeo feito por uma pessoa que estava no local, Pizzolatti admite ter ingerido álcool antes de dirigir. O autor do vídeo enviou as imagens à reportagem do Município Blumenau, mas não quis ser identificado. Primeiro, Pizzolatti diz que assume a responsabilidade pelo acidente. Depois, um homem questiona: “O senhor confessa que está bêbado?”. E ele responde: “Tô”.

Pizzolatti deixou o Hospital Santa Isabel, após ser conduzido pelo Corpo de Bombeiros, ele foi atendido por uma enfermeira, levado ao setor de triagem, mas depois saiu sem concluir o atendimento. A Polícia Militar Rodoviária (PMRv), que atendeu ao acidente, não acompanhou o deputado até o hospital.

Os policiais rodoviários autuaram Pizzolatti por dirigir com sinais de “alteração de capacidade psicomotora” ainda no local do acidente. Segundo o sargento Edson Waltrick, que atendeu a ocorrência, o ex-parlamentar recusou-se a fazer o teste de bafômetro. Duas testemunhas assinaram o auto de constatação, que descreveu olhos vermelhos, dificuldade na fala e sinais de desequilíbrio ao caminhar.

Conforme Waltrick, Pizzolatti só não foi detido em flagrante porque o médico do Samu preferiu encaminhá-lo ao hospital. Havia sinais de que ele bateu a cabeça no acidente.

“Como ele foi vítima, a gente baixou para um inquérito policial. Se ele não tivesse nenhuma lesão, com certeza seria feito o auto de prisão em flagrante”, explicou.

Segundo o sargento, somente se houvesse vítima fatal os policiais acompanhariam o atendimento hospitalar, para depois levar o condutor até a delegacia de Polícia Civil. Como não foi o caso, o ex-deputado pôde ir para casa. Nesta quinta-feira, 21, a Polícia Rodoviária deve encaminhar o boletim de ocorrência à 2ª Delegacia de Polícia de Blumenau, para que seja aberto um inquérito.

O que diz o ex-deputado 

A reportagem do Jornal O Municipio, de Blumenau, tentou ligar para o celular dele durante a tarde, mas o telefone estava desligado. O irmão dele, Paulo Pizzolatti, ex-prefeito de Pomerode, disse que o ex-deputado faz uso de antidepressivos e é hipertenso. Ele acredita que os sinais descritos pela polícia rodoviária tenham relação com os medicamentos. Paulo foi ao local do acidente e acompanhou o irmão até o Hospital Santa Isabel, mas não permaneceu no local durante o atendimento.

FONTE: Jornal O Município

 

 

 

 

Comentários