Moradores reclamam de obras na nova galeria da Vila Mariana

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Moradores das imediações da Escola Erna Heidrich, no Bairro Vila Mariana em Taió, reclamam que a ampliação da galeria pluvial não resolveu a situação, inclusive piorou. Quando anunciada, a nova galeria pretendia solucionar os constantes alagamentos que ocorriam em residências na rua Roberto Brandes e início da avenida Nereu Ramos, e a escola, que também sofre com os alagamentos há décadas.

Pelo cronograma, as obras, que iniciaram em abril de 2017, deveriam estar concluídas em dezembro último. Mas a colocação da nova tubulação, de um metro de diâmetro, já foi finalizada, porém, a cabeceira no final da tubulação já apresenta rachaduras. Falta recapear o asfalto da avenida Nereu Ramos e parte da rua Coronel Feddersen, por onde passou a tubulação. O valor da obra está orçado em R$ 202.135,51, com convênio do Ministério das Cidades e o Município de Taió.

O morador Euclides Moser Junior, disse que alertou o pessoal da secretaria municipal de obras sobre a má execução do serviço. “Essa galeria nova era para resolver o problema, trocaram a tubulação, mas deixaram tudo pela metade, não terminaram o serviço e agora a cada chuva que dá, o alagamento continua, está pior do que antes. Gastaram, investiram para nada”, falou Moser indignado.

Na manhã desta sexta-feira, 12/01, a lama cobria praticamente todo o pátio da Escola Erna Heidrich, resultado das chuvas dos últimos dias. “Fico com pena do pessoal do colégio, alagou tudo, mas é tudo da prefeitura, então ninguém faz nada, nem reclama”. A indignação do morador, que possui duas casas que são inundadas em enxurradas, passou dos limites. Ele relatou que ligou para a Secretaria de Obras, falou pessoalmente com o pessoal da prefeitura e ninguém atendeu. “Falei com o Kindel, fui na Secretaria umas quatro vezes, liguei mais de 30 vezes. Só diziam que iriam resolver, eu não tenho tempo de ficar correndo atrás disso toda hora”, finalizou.

Outro morador, que não quis se identificar, relatou que a antiga tubulação das ruas, está abaixo da nova, sem declive suficiente para escoar a água da chuva. Inclusive, mantiveram a tubulação antiga, que possuí bitola de 40 centímetros. Até fechamento da edição, o secretário Municipal de Obras, Leones Kindel e a Assessoria de Imprensa da Prefeitura não haviam respondido aos questionamos da reportagem.

O prefeito Almir Reni Guski, esteve no local depois das enxurradas, disse que o alagamento foi superficial  e que falta concluir a ligação da tubulação fluvial da rua e da escola. Almir não tinha conhecimento sobre a ruptura do muro, no final da galeria e disse que que o município está cobrando da empreiteira a execução e finalização das obras, e que os moradores podem denunciar ou fazer reclamações pelo canal de ouvidoria do município, caso observarem algo de errado ou mal executado.

Guski adiantou que a empresa deve concluir todos os trabalhos, como o recapeamento do asfalto, em 30 dias. “Se tiver alguma coisa de errado, é importante sanar agora, quando a empresa ainda não finalizou a obra”.  O prefeito também falou que a prefeitura, a partir da próxima semana, vai substituir e ampliar a rede de esgoto do do educandário.

TEXTO: Alexandre Salvador

 

 

Comentários