Sem Lula, disputa por 2º lugar fica acirrada

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Se a eleição presidencial fosse hoje, a disputa teria Jair Bolsonaro (PSC) líder da disputa pontuando de 16% a 20%, a depender da combinação de cenários. Entre os candidatos tradicionais e já com partido definido, o 2º lugar ficaria embolado entre Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

Quando são incluídos nomes de pré-candidatos ainda não filiados a partidos, entra na lista de segundos colocados o empresário e apresentador da TV Globo Luciano Huck.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que está quase fora da disputa por ter sido condenado em 2ª Instância a 12 anos e 1 mês de prisão, lideraria a disputa caso pudesse ficar no páreo. O petista tem de 34% a 37%, percentuais semelhantes ao que têm em outras pesquisas realizadas antes da sentença que recebeu do Tribunal Regional Federal da 4ª Região no último dia 24 de janeiro de 2018.

Esses são os resultados principais da pesquisa Datafolha realizada nos dias 29 e 30 de janeiro em 174 cidades com 2.826 pessoas. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

 

Segundo Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha, nunca antes uma pesquisa revelou um índice tão alto de eleitores dispostos a votar em branco ou nulo. É o vácuo deixado por Lula. “A possível inelegibilidade aprofunda a crise de representação no cenário político”, ele escreve. “Mesmo com o petista candidato, o índice já aparece com destaque, o que isoladamente pode refletir a rejeição aos candidatos de um modo geral.” 31% votam em branco, nulo ou nenhum e 4% não sabem. É um terço do eleitorado. (Folha).

 

Comentários