TCE apontou dívida de R$ 1.083.958.642,18 na saúde de SC

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Governo de Santa Catarina deixou de aplicar em 2017 na área da saúde o recurso mínimo exigido por lei, como mostrou o Bom Dia Santa Catarina. Foram investidos 12,67%, enquanto que pela obrigação deveria ser de 13%. Com o déficit, o Estado não investiu mais de R$ 60 milhões em ações e serviços na pasta.

Em nota, a Secretaria de Estado da Fazenda confirmou os valores e informou que investiu R$ 200 milhões a mais que o repassado à saúde em 2016. No entanto, naquele ano o exigido por lei era de 12% de investimentos mínimos na saúde.

Ainda conforme a Secretaria da Fazenda, o investimento ficou aquém do percentual mínimo exigido por causa por causa de perdas acumuladas e dos gastos adicionais com novas contratações.

Em imposto foram arrecadados R$ 18.474.407.230,31 em 2017. Como mostrou o Bom Dia Santa Catarina, os 13% de investimento somariam à R$ 2.401.672.939,94. No entanto, foram investidos R$ 2.341.460.528,17, ou seja, 12,67% do total da arrecadação de 2017. Assim, faltou para a saúde R$ 60.212.411,77 de investimentos obrigatórios.

Auditoria TCE
Segundo a auditoria do TCE que apontou a dívida de mais de R$ 1.083.958.642,18, o valor em registros oficiais é de cerca de R$ 590 milhões, enquanto que o não contabilizado seria de mais de R$ 490 milhões.

O novo secretário da Saúde, Acélio Casagrande, assumiu a pasta neste mês dizendo que para melhorar a situação deve apostar em reforma, que deve investir na regionalização e que cada direção de hospital terá metas.

Comentários