Pinho Moreira assume interinamente o governo de SC

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Afastamento de Raimundo Colombo faz parte do processo de transição, que será finalizado em
abril, com a renúncia oficial ao cargo de governador

O vice-governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) assumiu interinamente, nesta sexta-feira
(16), o comando do governo do Estado de Santa Catarina, após o afastamento do governador
João Raimundo Colombo (PSD). A medida marca o início do processo de transição de cargos,
que será encerrado com a renúncia formal de Colombo, em abril. Até lá, Pinho Moreira
permanece como governador em exercício, tempo que Colombo usará para concluir um curso
que vem realizando em etapas no exterior, além de cuidar de questões de saúde,
negligenciadas durante mandato.

Passado esse período, já não mais como governador de
Santa Catarina, Colombo deverá começar a construção da sua candidatura ao Senado.
Momentos antes de assinar o termo que formaliza a passagem do cargo, Colombo fez uma
avaliação rápida da sua gestão. Ele afirma que o esforço conjunto do Executivo e dos demais
Poderes fez com que as turbulências econômicas vivenciadas no Brasil fossem menores no
Estado. “A colaboração de todas as instituições fez com que Santa Catarina ficasse cada vez
mais forte, mesmo na crise”, disse Colombo.

Caso seja eleito senador, diz ele, irá atuar fortemente para implantar medidas visando atingir o
equilíbrio fiscal das contas públicas e o ajuste do setor no país.

Moreira assume anunciando mudanças

Em seu primeiro discurso como governador em exercício, Eduardo Pinho Moreira prometeu
reduzir gastos da administração pública e priorizar áreas como Saúde e Segurança Pública. Já
nos primeiros dias de governo irá visitar hospitais e melhorar as condições de atuação dos
profissionais da área da segurança. Além disso, destacou que dará atenção especial aos
problemas ligados à malha viária de Santa Catarina. “Quero deixar uma marca importante da
minha administração, porque eu não vou apenas cumprir tabela. Vou governar o Estado
durante 10 meses e meio”, disse ele.

Eduardo Pinho Moreira lembrou ainda que Santa Catarina está num patamar diferenciado em
relação aos demais estados ao promover e manter índices positivos, semelhantes a países
desenvolvidos. Para isso, ele cita a expectativa de vida dos catarinenses, atualmente a maior
do país, e a geração de emprego, que, igualmente, registra números superiores a todos os
demais estados brasileiros. “Foi gratificante ter contribuído com esse trabalho, que vem sendo
construído há muito tempo”, disse ele.

O governador em exercício destacou que parceria mantida durante a gestão com Raimundo
Colombo possibilitou que reivindicações de diferentes setores fossem contemplados.
“Atendemos demandas históricas, importantes para a população” disse ele.

Vida pública

Pinho Moreira destacou passagens de sua trajetória política, ligada diretamente a Luiz
Henrique da Silveira, que, entre outros cargos, atuou como governador de Santa Catarina e
morreu enquanto exercia o mandato de senador, em 2015. A descentralização da
administração estadual, implantada com a participação de Pinho Moreira, foi apontada por ele
como uma das principais marcas dos governos de Luiz Henrique. Com isso, diz ele, foi possível
dar um tratamento igualitário por parte do governo a toda a população. Porém, alerta, este
modelo deve ser revisto.

Evento prestigiado

Cerca de três mil pessoas participaram da cerimônia de transmissão de cargo do governador
Raimundo Colombo para Eduardo Pinho Moreira. O ato foi prestigiado por inúmeras lideranças
políticas ligadas ao MDB, deputados estaduais e federais, senadores e prefeitos catarinenses.
Também contou com a presença do ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun.
Colombo e Pinho Moreira receberam homenagens. Uma delas prestada pela viúva do
governador Luiz Henrique, Ivete da Silveira, e pela secretária executiva da Agência de
Desenvolvimento Regional (ADR) de Joinville, Simone Schramm.

Comentários