Deputado convoca população para ato por liberdade de Lula

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

 “A principal tarefa do Partido dos Trabalhadores, neste momento, é defender a inocência de Lula. Ele está preso por liderar as pesquisas”

 O deputado estadual Dirceu Dresch (PT/SC) convocou hoje (24) a população para, em conjunto com as centrais sindicais, realizar um grande ato dos trabalhadores e trabalhadoras no dia 1º de Maio, em Curitiba, em defesa da liberdade do ex-presidente Lula e para barrar o desmonte do Estado brasileiro e a retirada de direitos. “A principal tarefa do Partido dos Trabalhadores, neste momento, é defender a inocência de Lula, lutar por sua liberdade e fazer valer o direito do povo de votar no seu maior líder nas eleições presidenciais. Lula está preso por liderar nas pesquisas, mas o PT reafirma a sua candidatura”, destacou.

Dresch, que representa Santa Catarina no Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, participou ontem de reunião em Curitiba e disse que essa é uma das principais resoluções tiradas no encontro. “Não se poderá falar em Justiça no Brasil enquanto o processo de Lula não for revisto e anulado, pelas ilegalidades, arbitrariedades, manipulações e cerceamento de defesa de que o ex-presidente foi vítima na primeira e segunda instâncias. E não se poderá falar em democracia no Brasil enquanto permanecer encarcerado como um preso político, mantido em regime de isolamento, ao arrepio da lei, e sem poder recorrer em liberdade da sentença injusta, como é direito de todo cidadão ou cidadã.”

Para o deputado, Lula é o candidato para reverter o desmonte das políticas públicas – aprofundado por meio da Emenda Constitucional 95, que congelou por 20 anos os investimentos públicos. Também é o petista que tem condições de retomar e fortalecer os programas voltados às mulheres, aos quilombolas, aos indígenas, à agricultura familiar e reforma agrária, para revogar a reforma trabalhista e defender a Previdência, caso seja eleito no próximo pleito.

Comentários