Richard Choseki fala sobre o depoimento à Deic

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
O diretor e presidente do Vidas Instituto de Assistência à Saúde e do Hospital e Maternidade Oase de Timbó, Richard Choseki, se posicionou nesta segunda-feira, dia 18, sobre os esclarecimentos solicitados pela Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) sobre a Operação Sutura. A entidade também administra o Pronto Atendimento e o Hospital e Maternidade de Taió.
Choseki ficou detido por 72 horas, em Florianópolis, para responder a questionamento relacionados ao Instituto Adhoniran, que é alvo da investigação coordenada pela Polícia Civil de SC em conjunto com o Ministério Público.
Ele afirma ter se afastou em 2011 do Instituto Adhoniran e que desde tal data não possui nenhum vínculo com essa entidade. A nota oficial afirma ainda que os fatos investigados foram cometidos após sua saída da entidade. A investigação refere-se a contratos firmados em 2011 entre o Instituto Adhoniran e a Prefeitura de Penha, porém com indícios de fraude a partir de 2013, afirma.

Choseki explica que não existe nenhuma acusação contra a sua pessoa. “Fui conduzido para dar esclarecimento e ajudar na investigação que deverá ser concluída em 30 dias. Neste período, tive tempo para avaliar o trabalho do Vidas à frente de vários municípios e tive a certeza ainda maior, de que estamos trabalhando da melhor maneira possível respeitando com ética os princípios de valorização da boa aplicação dos recursos públicos. Retorno as minhas atividades à frente do Vidas e aproveito para agradecer à todas as manifestações de carinho que venho recebendo”.

A nota conclui que a situação está sendo acompanhada pelos integrantes do Conselho Diretor do Hospital e Maternidade Oase e pela direção da Oaset que estão cientes e afirmam que o processo e os fatos são isolados e não se reportam a entidade de Saúde de Timbó.

Fonte:  Janaina Possamai/ O Indaialense

Comentários