Homem acusado de atear fogo na namorada enfrentará o Tribunal do Júri

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Um homem acusado de atear fogo na própria namorada, fato que resultou na morte da jovem, estará sentado no banco dos réus nesta quinta-feira na comarca da Capital. Ele responderá pelo crime de homicídio triplamente qualificado. A motivação da violência, foi o fim do relacionamento amoroso.

A história do casal teve início em um hotel onde a jovem trabalhava, o homem, era um dos hóspedes. Inicialmente apresentou-se como policial militar do Rio Grande do Sul. Porém, após descobrir que seu namorado não era policial, a vítima resolveu terminar o relacionamento. Foi quando o namorado pegou uma garrafa de álcool e atirou o líquido na cabeça da vítima. Após agarrá-la pelo braço, acendeu o isqueiro e ateou fogo em seu cabelo.

A jovem conseguiu se soltar após alguns segundos e apagou as chamas com as próprias mãos, antes de ser socorrida. Após meses de internação e várias cirurgias,  a vítima recebeu alta mas, mesmo assim, continuou a realizar procedimentos cirúrgicos de reparação, até morrer no dia 28 de junho de 2013, em consequência das graves queimaduras.

Em razão disso, o homem foi denunciado por homicídio triplamente qualificado. O motivo torpe, em virtude do fim do relacionamento, é a primeira qualificadora. A segunda é o emprego de fogo e a terceira é por dificultar a defesa da vítima, devido a sua força física ao segurá-la

Comentários