Áreas indígenas na Serra da Abelha será ampliada

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

A ampliação das terras indígenas na Serra da Abelha, no município de Vitor Meireles, foi um dos destaques na Assembleia Legislativa de Santa Catarina. O Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar de Presidente Getúlio e Região (Sintraf) foi ao Plenário para pedir auxilio e intervenção do Parlamento na questão.

O presidente da entidade, Francisco Geremias, solicitou aos deputados a articulação de audiências com o governador do Estado e com o presidente da República. De acordo com ele, cerca de 700 famílias que vivem da agricultura familiar correm o risco de perder suas terras com a ampliação dos atuais 14 mil hectares para 37 mil hectares, conforme prevê a portaria 1128 de 2003 da Funai. Os agricultores, comentou, compram as terras há cerca de 80 a 100 anos e têm escrituras dos terrenos. O dirigente sindical questiona qual será o destino das 700 famílias cuja produção de mais de 50 mil sacas de grão é vendida para todo o Brasil.

O deputado Jerry Comper (MDB), que solicitou a interrupção da sessão para que o Sintraf fosse ouvido, comentou que o impasse representa uma “luta de muito tempo” por parte da comunidade. “Eu sou de Vitor Meireles, já fui agricultor, sei bem como é isso e da importância da Serra da Abelha”, contou.

Também representante da região, Milton Hobus (PSD) afirmou que “é um absurdo o que acontece lá”. De acordo com ele, Vitor Meireles é uma cidade cuja economia depende totalmente da agricultura.

ARIE da Serra da Abelha FOTO: Miriam Prochnow
Comentários