Tempo para abertura de empresas leva cinco dias em Rio do Sul

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Atendimento na Casa do Empreendedor e mudanças em regras ajudam a reduzir a burocracia para empresas consideradas de baixo risco

A redução de burocracia e maior eficiência nos processos farão com que, em Rio do Sul, o empreendedor para negócios considerados de baixo risco, leve até cinco dias úteis para conseguir o alvará de funcionamento. A novidade apresentada pela Casa do Empreendedor já premiou os quatro primeiros empresários da cidade nesta semana. O prefeito, José Thomé, entregou na  sexta-feira (7), os quatro primeiros alvarás de empresas. O prazo para que isso ocorresse foi de menos de cinco dias, considerado um recorde na Capital do Alto Vale.

A mudança envolve aplicação das regras ditadas por medida provisória pelo presidente Jair Bolsonaro, a chamada ‘MP da Liberdade Econômica’. Assim, empresários que têm por objetivo a abertura de empresas que não envolvam risco sanitário, ambiental e de segurança desfrutam de flexibilização em licenças, autorizações, registros ou alvarás de funcionamento. O município é o responsável pela definição da classificação de empresas de baixo risco. A MP presidencial tem validade de seis meses e precisa passar pelo Congresso Nacional para se tornar lei.

Além da aplicação da regra, o município também se adequou para que esta mudança fosse possível. Foram realizados treinamentos, mudança de sistema e protocolo, além de aplicação da Lei da Micro e Pequena Empresa. “Esta realidade interfere positivamente no panorama de geração de empregos, movimenta novos negócios e proporciona o crescimento da economia local”, garante o prefeito, José Thomé. Atualmente, cerca de 85% das empresas que são abertas em Rio do Sul estão dentro dos parâmetros de baixo risco.

O empresário Vanderlei Warmling trabalha no ramo de transporte e conseguiu a documentação necessária. “A emissão de alvará ficou pronta em uma semana. Agora com o CNPJ, que foi conseguido com facilidade, tenho condições de emitir nota fiscal para executar meu trabalho. Os trâmites legais serão mais fáceis de serem colocados em prática”, comemora.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Paulo Fiamoncini, adianta que no começo de 2017, a cidade tinha 5,8 mil empresas ativas. Atualmente já são 7,6 mil CNPJs, incluindo empresas, micro empreendedores individuais e autônomos. “Desenvolvemos uma parceria com o Sebrae/SC para melhorar o ambiente de negócios e também poder ampliar o número de novas empresas abertas em nossa cidade. Isso tornou tudo mais favorável”, explica. O secretário lembrou ainda que 120 novos empresários foram capacitados em nove meses de funcionamento da Casa do Empreendedor, espaço o qual soma 40 atendimentos por dia.

Comentários