Hospital de Ituporanga esclarece morte por Covid-19

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Nesta quarta-feira, 29, infelizmente Ituporanga registrou o primeiro óbito por complicações da COVID-19. Trata-se de um paciente, que deu entrada no Hospital Bom Jesus (HBJ) com sintomas característicos para a doença no dia 14 do mês de abril, foi positivado no dia 17 para COVID-19 e depois de 15 dias recebendo o tratamento teve quadro de piora e acabou vindo a óbito.

O paciente, um masculino de 61 anos, fazia parte do grupo de risco e já tinha algumas complicações respiratórias. De acordo com o médico responsável pelo atendimento Dr Daniel Ribas, assim que deu entrada na unidade hospitalar o paciente passou por todos os exames necessários, inclusive tomografia, onde confirmou clinica sugestiva para a doença.

Diante das evidencias para o coronavirus foram realizados testes para a comprovação ou não da doença. Para que seja feita a testagem para diagnosticar a COVID-19 é necessário levar em conta o período de incubação do vírus, ou seja, a quantidade de dias em que o paciente esta manifestando os sintomas.

A metodologia utilizada, seguindo os protocolos do Ministério da Saúde é a seguinte:

– Até o sétimo dia (preferencialmente entre o terceiro e quinto dia) do início da manifestação dos sintomas, o teste mais indicado a ser realizado, é o RT-PCR, que faz a coleta de material com cotonete, no nariz e na garganta.

– Já a partir do oitavo dia do inicio dos sintomas, é indicado o teste rápido, onde é feita a coleta de uma gota de sangue do paciente e identifica os anticorpos do organismo contra o vírus.

No caso, do paciente atendido no HBJ e que infelizmente veio a óbito, Dr Daniel Ribas, explica que como o paciente deu entrada na unidade hospitalar sentindo os sintomas havia mais de 10 dias, sendo assim, o teste rápido deu positivo e o teste RT-PCR deu negativo.

Solicitou-se inclusive a vigilância epidemiológica do Estado uma contraprova, por meio do lavado brônquio, outro tipo de teste utilizado para diagnosticar a COVID-19, porem como já se tinha um teste confirmando a doença, alem de todas as demais comprovações clinicas, inclusive achados tomográficos clássicos para doença, entendeu-se não haver a necessidade de mais um teste.

Desde o dia da internação, o paciente recebeu toda a medição prescrita para o tratamento da doença. Teve alguns quadros de evolução positiva, porém acabou tendo complicações devido à doença e veio a óbito.

O Hospital Bom Jesus esclarece ainda que não há nenhum benefício e nem estratégia da unidade hospitalar em manter pacientes com COVID-19, até por que casos, a permanência de pessoas suspeitas e confirmadas com a doença, podem inclusive colocar em risco os colaboradores e profissionais de saúde que estão na linha de frente de atendimento.

Agradecemos a compreensão de toda a população que tem se solidarizado com nossa casa, com a doações de EPIs e recursos para ampliação da nossa capacidade de atendimento e temos certeza que unidos vamos vencer essa batalha contra essa pandemia.

Comentários