Ato pró-exército reuniu apoiadores em Rio do Sul

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Um grupo de manifestantes se reuniu no domingo de manhã, 04/05, na rótula que dá  acesso a cidade de Rio do Sul. O manifesto democrático organizado pelo grupo “Patriotas Rio do Sul”  foi contra a corrupção nos vários níveis de poder. Vestidos de verde e amarelo, com mascaras de proteção, saguns seguravam a bandeira do Brasil, e cartazes que pediam apoio dos militares para sustentar a democracia.

Em faixas escreveram:

“Exército brasileiro, proteja nossa família, contra os corruptos da Câmara dos Deputados, Senado e STF” 

“A democracia é soberana pela voz do povo. Exército brasileiro, faça valer a democracia das nossas famílias”. 

Manifestantes nacionalistas próximo a loja da Havan em Rio do Sul
FOTO: Xico Stocker

https://www.youtube.com/watch?v=EyAXPi4DV64

Em Brasília, carreara teve mais de 2.500 veículos

Participaram da carreata de apoio do governo na tarde deste domingo (3.mai.2020) na área central de Brasília aproximadamente 2.600 veículos. A estimativa do Poder360 leva em conta a concentração de veículos em algumas das fotos aéreas e a extensão da fila de carros, que, no ápice, chegou a ocupar o trecho de 3,5 km da Torre de TV ao Congresso Nacional.

A manifestação incluiu diversos pontos do poder em Brasília. Os carros transitaram pelas vias da Esplanada dos Ministérios, Congresso Federal, STF (Supremo Tribunal Federal) e Palácio do Planalto.

O presidente Bolsonaro foi ao Planalto de onde acenava aos mais de 5 mil manifestantes na Praça dos 3 Poderes. Os carros passavam e buzinavam na Avenida do Eixo Monumental. Assista os principais momentos da participação do presidente aqui.

O presidente transmitiu a manifestação em suas redes sociais. “Chegamos no limite. Não tem mais conversa. Faremos cumprir a Constituição. Não tem uma mão só. Nesta semana vamos nomear o diretor da PF [Polícia Federal]”, afirmou.

Bolsonaro havia nomeado Alexandre Ramagem para o cargo, mas a decisão foi derrubada pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Comentários