Facebook: metade dos funcionários em casa em 10 anos

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, disse que a rede social está “abrindo agressivamente contratações remotas”, em um movimento que deve resultar em metade da força de trabalho da empresa trabalhando de casa em 10 anos.

A declaração foi dada durante uma live nesta quinta-feira, 21, e ainda que Zuckerberg tenha frisado que se tratava de um “palpite” e não de uma “meta ou objetivo”, é um anúncio de algum impacto, uma vez que pode afetar milhares de funcionários e até a ideia do Vale do Silício como um todo.

“Vamos ser a empresa mais ousada nesse sentido na nossa escala, mas de uma maneira que é medida, refletida e responsável”, disse Zuckerberg.

O Facebook tem hoje 48 mil funcionários em nível mundial, a maioria deles trabalhando em um gigantesco campus inaugurado em 2015 em Menlo Park, no coração do Vale do Silício.

A fala de Zuckerberg é uma das mais ousadas em relação ao tema home office, um assunto em alta desde que a pandemia do coronavírus obrigou milhares de empresas a mandarem seus funcionários para casa.

Empresas como Google, Salesforce e o próprio Facebook já haviam dito que o home office seguiria valendo até o final de 2020, independente das medidas de quarentena adotadas pelo governo (Nubank e XP Investimentos fizeram anuncios no mesmo sentido). O Twitter foi um pouco mais longe e disse que trabalhar em casa seria permitido “para sempre”.

Mas o Facebook é a primeira empresa a falar numa mudança profunda e a longo prazo em torno do assunto home office.

É uma virada grande para a própria empresa, que ainda em 2018 fez pedidos para as autoridades locais para permissões de construção no valor de US$ 1 bilhão, agregando 48,5 mil metros quadrados a um complexo de escritórios que já tinha 40 mil metros, mais um prédio de estacionamento de oito andares e outras novidades, tudo projetado pelo badalado arquiteto Frank Gehry.

Em 2015, a empresa chegou a oferecer um bônus de US$ 10 mil para funcionários que se mudassem para uma área num raio de 16 quilômetros da nova sede em Menlo Park.

As grandes sedes e o incentivo à concentração de funcionários partem de uma premissa sobre a natureza da inovação: junte muitas pessoas altamente capacitadas no mesmo lugar e as interações espontâneas entre produzirão grandes resultados.

É o que vem atraindo profissionais qualificados para a região ao redor de São Francisco desde os anos 60, quando a HP começou em uma garagem em Palo Alto, a menos de 7 quilômetros de onde fica a sede do Facebook.

Ao longo dos anos, as empresas foram investindo mais e mais nas suas sedes, chegando ao paroxismo da tendência nos HQs de Facebook e Google, que parecem pensados para os funcionários morarem dentro deles (o que acaba acontecendo).

Agora, essa tendência à concentração parece estar se revertendo, no que pode ser em parte uma forma de empresas como o Facebook de promoverem as suas próprias soluções de comunicação e colaboração remotas, testando elas internamente em grande escala antes de ir a mercado.

“Muito do que nós estamos desenvolvendo tem a ver com fazer as pessoas se sentirem conectadas e presentes onde quer que elas estejam, já seja com apps de mensagens, chat de vídeo e no futuro realidade virtual ou aumentada. Viver os nossos valores pode nos ajudar a desenvolver essas tecnologias”, escreveu Zuckerberg.

Fonte: Baguete

Comentários