Prefeito de Ibirama diz que perfis falsos mentiram sobre gastos

Adriano Poffo relatou que nos últimos dias algumas páginas no Facebook e no Instagram foram criadas por pessoas anônimas com objetivo de prejudicar a imagem da administração.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O prefeito de Ibirama, Adriano Poffo (MDB), precisou usar as redes sociais para explicar os gastos de publicidade da prefeitura em 2020.  Poffo relatou que nos últimos dias algumas páginas no Facebook e no Instagram foram criadas por pessoas anônimas com objetivo de prejudicar a imagem da administração, justamente num período pré-eleitoral. 

“Entre outras mentiras, essas redes de Fake News estão divulgando que o município já gastou mais de R$ 100 mil em publicidade em 2020, o que está longe de ser verdade”, escreveu o prefeito. 

Poffo explicou que até o dia 16 de junho, o município investiu R$ 59.308,00, sendo que estes investimentos foram feitos em publicidade institucional. Além de uma campanha realizada em parceria com o Ministério Público de Santa Catarina. Os outros investimentos foram voltados à Campanha Abrace Ibirama, realizada em parceria com a CDL, Aciibi e Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico. E campanhas de vacinação contra H1N1 e Febre Amarela, medidas de prevenção ao Covid-19 e ações para a recuperação econômica do município neste período de pandemia.

“Em respeito à população de Ibirama, considerando que este dinheiro é oriundo dos impostos pagos pelo cidadão. Em nenhum momento utilizamos estes recursos para promoção pessoal ou colocar em evidência a atual administração. Todas as campanhas foram voltadas à saúde dos ibiramenses e valorização da imagem do município”, relatou Adriano. 

Em seguida o prefeito postou  as informações referentes a cada real investido em publicidade institucional no município. “Onde existe a verdade, fatos não precisam ser escondidos. Transparência em primeiro lugar!” Os mesmos valores podem ser confirmados no portal da transparência e que estão à disposição dos órgãos fiscalizadores.

ALEXANDRE SALVADOR 

 

Comentários