Bolsonaro zera imposto de remédio que custa para AME

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O Deputado Rogério Peninha Mendonça, MDB, comemora o pedido feito ao presidente Jair Bolsonaro. Considerado o medicamento mais caro do mundo, remédio traz esperança a milhares de crianças. Foi um luta do 

“Uma das conquistas mais importantes de toda minha vida pública” – assim reagiu o deputado Rogério Peninha Mendonça (MDB/SC) à solicitação atendida pelo presidente Jair Bolsonaro nesta sexta-feira (10). O Presidente anunciou, por meio de suas contas nas redes sociais, que vai zerar o Imposto de Importação sobre o medicamento Zolgensma, usado para tratar a Atrofia Muscular Espinhal (AME).

Desde abril, Peninha tem atuado em Brasília para acabar com a tributação da droga, produzida nos Estados Unidos. O remédio custa em torno de R$ 10 milhões e pode levar à cura da doença que provoca paralisia dos músculos, compromete o sistema respiratório e a deglutição. Só as taxas de importação, para aplicá-lo no Brasil, ultrapassam os R$ 2 milhões.

“Solicitei oficialmente ao Ministério da Economia a isenção, me reuni com assessores de Paulo Guedes e trabalhei o assunto no Palácio do Planalto para provar quão importante seria a medida”, explicou Peninha. Para o deputado, a recusa de receita se mostrou insignificante, perto dos benefícios que os pacientes terão. “Vai garantir a vida das crianças e a esperança de milhares de famílias”, resumiu.

O remédio Zolgensma, criado pela empresa AveXis, da Novartis, usa terapia gênica para combater a atrofia muscular espinhal (AME) em crianças, uma doença genética rara que leva à morte nos primeiros anos de vida, causando uma degeneração nos neurônios e paralisia progressiva. Cerca de 90% dos pacientes com o problema morrem aos 2 anos de idade.

 

 

Comentários