Hospital rechaça declaração do prefeito de Rio do Sul

Querer responsabilizar o HRAV pela precariedade dos serviços públicos é inadmissível.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

A Fundação de Saúde do Alto Vale do Itajaí, entidade mantenedora do Hospital Regional Alto Vale de Rio do Sul, enviou nota Oficial sobre declarações do prefeito de Rio do Sul, José Thomé. 

O prefeito falava em entrevista ao Grupo Difusora, sobre o decreto que libera a prática de atividades esportivas em arenas e ginásios particulares. Para o prefeito o alerta vermelho emitido para a região é uma consequência da falta de leitos no Hospital Regional.

NOTA OFICIAL

Por ter sido responsabilizada, pelo Prefeito do Município de Rio do Sul, Sr. José Thomé, por atos que não são de sua alçada, a FUSAVI vem por meio de nota esclarecer que:

A saúde é um direito de todos e um DEVER DO ESTADO. O Hospital Regional Alto Vale, embora pelo nome pareça ser do estado, não é. É mantido por uma Fundação PRIVADA, e por essa razão não assume a obrigação primária do estado, estando apenas obrigada a prestar serviços nos termos contratados (convênios, credenciamentos, etc.).

Um destes convênios é o SUS, razão pela qual a FUSAVI só pode ser responsabilizada por aquilo que, contratado com o SUS, não entregou. Nada mais.

E, pelo SUS, a execução das ações cabe aos estados e municípios. O que não é diferente no atual cenário de combate à pandemia.

Assim, reiteramos mais uma vez que os valores repassados pelos governos federal/municipal para a preparação do hospital no combate ao COVID, estão sendo aplicados na compra de equipamentos cuja entrega encontra os mesmos obstáculos enfrentados pelo resto do mundo.

Além disso, o Hospital Regional NÃO foi transformado em referência para o tratamento da COVID, razão pela qual a habilitação de leitos de UTI tampouco se mostra prioridade dos agentes do estado.

Portanto, querer responsabilizar o HRAV (fundado pela comunidade para tentar suprir a deficiência estatal) pela precariedade dos serviços públicos é inadmissível. Uma inversão total dos papéis do povo e do estado.

Lamentavelmente, não é a primeira vez que o Prefeito Municipal faz isso. Esperamos que seja a última.

ENTREVISTA DE THOMÉ

Comentários