Valec prevê ponte de 1.420 metros em Agrolândia

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

A Valec, estatal responsável pelas obras de engenharia em ferrovias no Brasil, apresentou os estudos de viabilidade do Corredor Ferroviário de Santa Catarina.

O projeto prevê duas alternativas a serem estudadas: Itajaí – Início em Dionísio Cerqueira e fim em Itajaí e o projeto em “Y” – Início em Dionísio Cerqueira e fim em Imbituba e Tijucas.

O acesso aos documentos foi requisitado pela Associação Empresarial de Rio do Sul – ACIRS, que integra o Movimento Pró-Ferrovia, formado por Associações Empresariais, Associações de Municípios, Sindicatos Patronais e Prefeituras. 

O anteprojeto geométrico da ligação direta a Itajaí demonstra o desafio de atravessar regiões como o Alto Vale, onde seriam necessárias a construção de pontes com 1.420 metros de comprimento em Agrolândia, 1.080 m em Lontras e 715 m em Aurora.

Em Rio do Sul, um túnel ferroviário de quase 2 quilômetros ligaria os bairros Albertina e Taboão. Outro, com mais de 4 quilômetros, seria necessário para a travessia do Morro Grande, em Apiúna, já no Médio Vale.

A utilização de imagens em Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) consiste em um importante recurso e fonte de informação, que contribui para que novas análises espaciais sejam realizadas através desses produtos.

Quando se iniciam os estudos de engenharia e de meio ambiente de um empreendimento linear, como o do Corredor Ferroviário de Santa Catarina, entre Dionísio Cerqueira e a Ferrovia Litorânea em Santa Catarina, é comum a realização de consultas periódicas em imagens, a fim de se obter informações secundárias para engenharia, tais como: a realidade física do terreno, a interceptação de centros urbanos ou povoados, e fatores ambientais como: a interceptação de fragmentos florestais, cursos d’água, unidades de conservação e áreas ambientalmente sensíveis, entre outros.

A equipe de engenharia, de posse dessas informações geográficas e das bases cartográficas em formato shapefile – SHP e CAD, inicia a modelagem do traçado, respeitando os parâmetros técnicos previstos. Para apresentar seus resultados, são confeccionados mapas contemplando o traçado do empreendimento, que apresentam, ao fundo, as cotas de curvas de nível e imagens de satélite para melhor representar o traçado. 

No caso do EVTEA da VALEC, foram utilizadas imagens do Voo do estado de Santa Catarina de 2010, SRTM 1, ASter-GDEM e Satélites Sentinel 2A e 2B da Agência Espacial Europeia, todas disponíveis na internet, o que possibilita a aquisição de imagens de alta resolução espacial, que auxiliam nesse tipo de atividade.

Clique para acessar o Volume-6-Relatório-de-Imagens.pdf

Comentários