Polícia Federal investiga “escravos” em Ituporanga

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Ituporanga recebe todos os anos nos meses de maio e junho, muitos trabalhadores de outras regiões do Brasil. Eles são contratados para trabalhar na colheita da safra de cebolas. Por conta da pandemia do coronavírus as fiscalizações foram intensificadas por Blitz sanitárias para  garantir a segurança dos trabalhadores.

Uma suspeita de que 18 pessoas foram encontrados em situação de escravidão, em uma propriedade rural de Ituporanga, está sendo investigado pela Polícia Federal. 

O caso veio à tona na quinta-feira (30) após um deles passar mal e chamar o Samu. Quando a equipe de socorro chegou à casa, no bairro Bela Vista, percebeu as condições precárias do local e acionou as autoridades.

Após serem retirados do local pela assistência social, os trabalhadores foram encaminhados ao Centro multiuso da cidade. Os 18 homens vieram da cidade de Marco, no Ceará, no início da semana passada. Eles iriam trabalhar na safra da cebola em troca de bons salários, alojamento e roupas para o frio, mas encontraram outro cenário: um casebre sem água potável, banheiro em péssimas condições e camas sem colchões.

Segundo a secretária de Assistência Social, Antoniela Ferreira, os trabalhadores foram acolhidos no Centro Multiuso. Todos eles voltaram ao município de origem, com o transporte até Florianópolis fornecido pela prefeitura de Ituporanga e as passagens aéreas pagas pela prefeitura de Marco.

 

Comentários