Conselheiro do TCE fica milionário sem trabalhar

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Enquanto uma parte expressiva da população sofre com crescente desemprego em razão da pandemia, o conselheiro Robson Marinho, do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, completa neste mês seis anos de “férias remuneradas”. O ex-chefe da Casa Civil do governo Mario Covas, foi afastado do cargo pela Justiça paulista em agosto de 2014 sob a acusação de ter recebido 2,7 milhões de dólares de propina da multinacional francesa Alstom.

Réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, ele já tentou duas
vezes retomar a cadeira no TCE. Não conseguiu e segue em casa recebendo
integralmente seus subsídios de conselheiro. Desde o afastamento, Marinho já amealhou 2,5 milhões de reais.

Marinho recebe uma remuneração mensal de cerca de 48.000 reais, mesmo sem trabalhar. O conselheiro possui duas fontes de renda. Ele recebe salário como conselheiro via Tribunal de Contas – no valor de 35.400 reais – e também um vencimento a título de pensão parlamentar via administração geral do Estado – estimada em 12.600 reais. Essas informações estão disponíveis nos portais da Transparência do TCE e do governo paulista, respectivamente.

Marinho foi deputado estadual pelo MDB entre 1975 a 1983, além de ter sido deputado federal pelo PSDB entre  1987 e 1991. Depois disso, foi chefe da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB), seu padrinho político. Em
1997, Marinho foi nomeado para conselheiro do TCE.

Comentários