Entenda o novo pedido de Impeachment de Moisés

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Por Ananias Cipriani/Jovem Pan News

Sob os lamentos da decepção, inicia-se a denúncia pelos graves e inescusáveis crimes cometidos pelo Governador do Estado, Sr. Carlos Moisés da Silva, eleito por ares de renovação, que se revelou incorreto.” Assim começam a ser descritos os crimes de responsabilidade do governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), em novo pedido de Impeachment que acaba de aportar na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc).

O pedido foi protocolado na tarde desta segunda-feira (10). O texto foi assinado por 16 cidadãos, que inclui empresários, presidente de entidades e advogados. O renomado ex-desembargador Anselmo Cerello, foi um dos autores do pedido.

Os motivos para o impedimento do governador Moisés são: “O pesadelo dos respiradores fantasmas“, em alusão ao caso dos respiradores comprados e pagos antecipadamente na ordem de R$ 33 milhões; “Para não mentir, não é necessário ser santo, basta ser honrado“, as mentiras nas respostas das 15 perguntas à CPI dos Respiradores; “A Farsa do Hospital de Campanha“, o caso dos hospitais de campanha em Itajaí; “Diga-me com quem andas e te direi quem és“, mesmo diante dos escândalos, prisões e quedas de secretários, o governador manteve-se inerte, sem punir nenhum envolvido; e o último, “Sigiloso e ilegal“, o caso do Procuradores volta à tona no novo pedido, conforme já aconteceu pelo pedido de Ralf Zimmer Júnior;

O pedido abrange o governador e também a vice-governadora Daniela Reinehr (PSL), denominados piloto (Moisés) e co-piloto (Daniela).  Segundo o texto, enquanto havia uma pandemia à ser enfrentada, ambos ficavam em disputa pelo poder. Sobre Daniela, o pedido destaca que ela sumiu e se calou, sem proceder conforme determina o seu ofício. Acusam a vice de fraude e enquanto governadora, ter negligenciado e prevaricado ao não fiscalizar efetivamente o governador, função que também lhe compete. Ressaltam também, que o silêncio dela seria altamente comprometedor e que a função de vice-governadora não era apenas de substituir Moisés. “A vice-governadora não é plateia, é protagonista!“, registram.

Para fechar o pedido, também responsabilizaram Daniela sobre o caso dos Procuradores. Com uma retórica cronológica, o pedido ressalta que se o papel de vice-governadora era fiscalizar os atos administrativos do governador, maior seria essa responsabilidade, enquanto governadora. Nesse caso, o pedido é semelhante ao que já tramita na Assembleia Legislativa. No caso dos procuradores, a vice-governadora pagou o salário dos procuradores, através de um ato administrativo, considerado ilegal.

Governador e vice-governadora não se manifestam sobre o pedido

O governador Carlos Moisés e a vice-governadora Daniela Reinehr ainda não se manifestaram oficialmente sobre o pedido. O governador tem se mantido em silêncio e tem evitado se manifestar sobre o caso. A  vice-governadora, que costuma usar suas redes sociais para se manifestar, ainda não publicou nada.

Por Ananias Cipriani/Jovem Pan News

Comentários