Fundão do PSL bomba eleição em pequenas cidades 

Com R$ 2 bilhões em caixa para gastar nas eleições municipais, no Alto Vale os valores já ultrapassam R$ 200.000,00.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O PSL, partido no qual o presidente Jair Bolsonaro se elegeu, é dono da segunda maior fatia do fundo eleitoral. Mas o Presidente rompeu com o partido, após queda de braço para “controlar” a repartição dos mais de R$ 2 bilhões públicos.

Bolsonaro faz campanha para que seus eleitores não votem em candidatos que usam o dinheiro do fundão, mas seus antigos correligionários, além de usarem a grana pública, usam o programa eleitoral para “colar” no presidente.

Na lista dos cem maiores destinatários da verba do comando nacional, conforme apurou a Folha, estão os dez candidatos de municípios com menos de 50 mil habitantes. Os dados se desempenham a prestação de contas do partido publicada nesta terça-feira (10/11), e os números finais da eleição ainda poderão mudar.

Em Santa Catarina, o PSL planejou uma grande cooptação de candidaturas a prefeito e vereador. Atraídos pela grana do fundão e promessas de apoio do Governador Carlos Moisés, vereadores trocaram de partidos e se aventuraram na campanha majoritária. 

É o caso de  Moacir Coradini, que foi vereador e vice-prefeito  de Laurentino,  disputou quatro eleições, todas pelo PMDB, foi para o PSL para disputar a vaga de prefeito. O atual prefeito de Rio do Sul, José Thomé, também esteve muito próximo de ir para o PSL,  mas acabou embarcando no PSD. 

O candidato do PSL em Rio do Campo, foi o que mais recebeu recursos públicos no Alto Vale, R$110 mil, até agora (12/11/2020). O candidato a prefeito Alemão Contezini, abandonou a presidência do PSDB para  disputar a vaga de prefeito pelo PSL. Foi em ninho tucano que Contezini se elegeu vereador em 2008, 2012 e 2016. Para se manter no poder vale tudo, até fazer aliança com o PT, do prefeito Rodrigo Preis. 

Nesse contexto de cofres cheios e divisão interna que a direção nacional do partido aplicou, por exemplo, R$ 123 mil da verba pública na eleição para prefeito da cidade de Frei Rogério, município  de apenas 2.000 habitantes. Em Apiúna, a candidatura local do PSL, também recebeu R$ 123 mil. Onde o partido tem chances reais de vitória, o valor do repasse foi maior e onde as chances são remotas os valores repassados são menores.

Até agora, os cinco candidatos a prefeito do Partido na região do Alto Vale, receberam R$ 220.000,00, em Taió, onde o candidato a vice é do PSL, foram outros R$ 30.000,00.  Os dados estão disponíveis no site do TSE e podem sofrer alterações, já que os próprios partidos fazem as prestações de contas. 

Lista dos candidatos do PSL que se agarraram no dinheiro do fundão.

CIDADE

CANDIDATO

VALOR

Rio do Campo

Alemão Contezini

R$ 110.000,00

Laurentino

Moacir Coradini

R$ 50.000,00 

Taió

Tiago Maestri 

R$ 30.000,00

Rio do Sul

Coronel Tonet

R$ 20.000,00

Salete

Genoir Kniss

R$ 20.000,00

Santa Terezinha

Alois Zator

R$ 20.000,00

https://divulgacandcontas.tse.jus.br/divulga/#/candidato/2020/2030402020/83011/240000656244

 

Comentários